Saiba como tirar print da tela do Samsung Galaxy S4 Mini

O Galaxy S4 mini, celular da Samsung lançado em 2013, assim como outros smartphones, é capaz de capturar prints da sua própria tela com uma combinação de botões. A função é prática e serve para fotografar aplicativos, jogos, menus e conversas em redes sociais, seja para guardar ou compartilhar com amigos.

Todas as imagens ficam salvas na memória do aparelho, e o processo pode ser usado a qualquer momento. Ainda não sabe capturar screenshots da tela do seu S4 Mini? Confira o guia de como tirar printscreen da tela do smartphone.

1. Para capturar uma imagem da tela do seu Galaxy S4 Mini, pressione ao mesmo tempo o botão de bloqueio (do lado direito do aparelho) e o botão de início (na parte frontal do celular), como indica a foto abaixo. Caso o processo tenha sido feio corretamente, a tela “piscará”, indicando que o print foi salvo.

2. A imagem será armazenada automaticamente no seu celular. Para acessá-la, vá até o menu principal e selecione a opção “Galeria”.

3. Entre os diversos álbuns, procure pela pasta chamada “Screenshots”.

Agora é só compartilhar e usar as imagens normalmente.

Saiba como formatar o Galaxy J5 e restaurar as configurações de fábrica

O Galaxy J5 é um smartphone da Samsung que chegou ao Brasil em agosto de 2015 e, atualmente, pode ser comprado de segunda mão por um preço baixo. Com valores entre R$ 500 e R$ 600, o celular oferece flash frontal e câmera traseira competente, além de especificações interessantes para um celular de entrada. No entanto, a pouca memória RAM pode ocasionar lentidão, principalmente quando trata-se de um telefone usado.

Se o seu J5 trava, uma alternativa é resetar o dispositivo para as configurações de fábrica. O procedimento apaga todos os dados e configurações feitas pelo usuário, deixando o telefone como novo. Veja, no passo a passo a seguir, como formatar o celular da Samsung e melhorar o seu desempenho.

 

1. Acesse as configurações do Galaxy J5 e vá até o menu “Fazer o backup e redefinir”. Em seguida, toque em “Restaurar padrão de fábrica”.

2. Na tela seguinte, verifique atentamente as informações que serão removidas do aparelho, incluindo acesso às suas contas de e-mail. Toque em “Zerar dispositivo” e, depois, em “Apagar tudo”.

3. O Galaxy J5 irá reiniciar uma vez para completar a formatação, e uma segunda vez para recuperar o funcionamento. A partir daí você já poderá configurá-lo de novo, como se fosse um celular novo tirado da caixa.

Não esqueça de fazer o backup de fotos, vídeos e músicas antes de realizar o procedimento, já que a formatação apaga a memória e só permite recuperar facilmente dados gravados na conta Google, como contatos e agenda.

Gionee lança o M2017 – Smartphone conta com bateria de 7.000 mAh e preço assustador

Os rumores já apontavam para um novo smartphone da Gionee há algum tempo, sendo que no começo de dezembro um rumor dizia que o aparelho seria lançado hoje, 27. Agora, a empresa chinesa decidiu revelar o M2017, que conta com uma incrível bateria, design único e preço alto.

O aparelho apresentado pela Gionee é dedicado para os usuários que não se importam de gastar muito dinheiro para ter um smartphone único. Seu alto preço de US$ 1 mil (R$ 3,3 mil, em conversão direta) é mais do que o cobrado por smartphones como o iPhone 7 Plus de 256 GB ou o Galaxy S7 edge de 128 GB.

Além disso, suas especificações não justificam este alto preço. Ele conta com um chipset Snapdragon 653, que é considerado intermediário, o que garante um desempenho satisfatório, porém não o melhor. Para acompanhá-lo, a Gionee incluiu 6 GB de memória RAM e 128 GB de armazenamento interno.

gio2Seu destaque fica por conta da bateria. São 7.000 mAh que podem ser traduzidos em alguns dias de autonomia com uso moderado. Ela conta com tecnologia de carregamento rápido, porém não foi revelado o tempo exato que demora para a carga ser completada. Entre as especificações técnias, o Gionee M2017 conta com:

  • Tela AMOLED de 5,7 polegadas com resolução Quad HD (1440 x 2560)
  • Chipset Snadragon 653 com oito núcleos de processamento e clock de 1,95 GHz
  • GPU Adreno 510
  • 6 GB de memória RAM
  • 128 GB de armazenamento interno
  • Duas câmeras principais de 13 megapixels
  • Câmera frontal de 8 megapixels
  • Leitor de impressões digitais
  • Bateria de 7.000 mAh
  • Android 6.0.1 Marshmallow

Não foi revelado os países nos quais a Gionee irá vender o M2017 e por conta disso é impossível dizer com certeza se ele chegará no Brasil. Porém, levando em consideração o histórico da empresa, é bastante improvável que isso aconteça em algum momento. De qualquer forma, os usuários interessados podem utilizar meios para importá-lo, sendo que neste caso as devidas taxas serão incluídas, deixando o dispositivo ainda mais caro.

Galaxy Note 4: como resetar e restaurar as configurações de fábrica do smartphone? confira!

Resetar o Galaxy Note 4 pode ser um procedimento importante para os usuários do celular da Samsung. Com o passar do tempo, é comum que os smartphones comecem a apresentar alguns travamentos no Android e um dos principais motivos para isso é o excesso de arquivos que enchem a memória do aparelho.

Veja, abaixo, como resetar o Note 4 para restaurar as configurações de fábrica. Assim, além de esvaziar a memória, é possível que o smartphone tenha uma melhora de desempenho. Ao fazer o procedimento, todos os arquivos presentes no armazenamento nativo do telefone serão perdidos.

 

1. Acesse o menu principal, em seguida abra as “Configurações” e, depois, acesse “Fazer o backup e redefinir”.

2. Em seguida, clique em “Restaurar padrão de fábrica” e, na tela que abrir, toque em “Zerar dispositivo”.

zer3. Confirme que você deseja realizar o procedimento e toque em “Apagar tudo”. O telefone ainda avisa: “Todas as suas informações pessoais e aplicativos baixados serão apagados e não poderão ser recuperados”.

Ao finalizar o passo a passo, o Galaxy Note 4 iniciará o processo de restauração do aparelho. O sistema provavelmente irá reiniciar algumas vezes. Quando o processo estiver completo, o Note 4 apresentará a tela de boas vindas do Android.

OnePlus 3 x Galaxy S7 x Mi 5 – Qual é a mais veloz para renderizar vídeos em 4K

i4Gravar vídeos em 4K já é uma realidade nos smartphones high-end. Mas os dispositivos atuais vão além disso, se aproximando cada vez mais de verdadeiros computadores de bolso com alto poder processual. Muito mais do que apenas gravar, é possível editar vídeos em 4K na telinha do celular.

Para quem não é do ramo, é bom saber: editar e renderizar um vídeo, mesmo em um computador de mesa ou notebook, é algo que exige muito de todos os componentes da máquina. Imagine em um smartphone. Foi o que o canal Phone Radar quis descobrir. Com um OnePlus 3, um Galaxy S7 e um Mi 5 em mãos, os caras pegaram um vídeo já pré-editado e puseram para renderizar, cronometrando o tempo que cada dispositivo leva para concluir a tarefa.

O vídeo é em inglês, com forte sotaque indiano e fala muito rápida, mas a gente explica o que aconteceu. Os 6 GB de RAM do OnePlus 3 fez toda a diferença neste caso. O aparelho levou apenas 31 segundos para fazer a renderização, enquanto os outros dois, com 4 GB de RAM, demoraram 54 segundos. Todos trabalharam com o mesmo vídeo e o mesmo app (Adobe Premier Clip). Os três aparelhos possuem basicamente o mesmo processador, sendo o Snapdragon 820 no OnePlus e Xiaomi Mi 5, e um Exynos 8890 para o Samsung.

Gravação em 4K:

No que diz respeito à gravação de vídeos, o OnePlus 3 também ganha dos concorrentes em duração sem afetar o aparelho. Foram 10 minutos, o limite permitido em vídeos de 1080p, sem apresentar aquecimento. Já o Galaxy S7 esquentou de leve, mas só conseguiu filmar um total de 5 minutos, por conta do armazenamento interno. Já o Mi 5 gravou um total de 8 minutos (também o limite) e aqueceu bastante.

Confira o vídeo:

Samsung Galaxy S8 e sua tela 4K e câmera dupla

O potente Galaxy S8 pode chegar ao mercado de telefonia móvel para fazer história na linha do tempo da Samsung. O modelo possui data prevista para apenas o próximo ano, 2017, porém as fontes que dizem estar próximas dos planos da gigante da Coreia do Sul dão sugestões do que esperar dele, incluindo uma tela 4K UHD e um sistema duplo de câmeras principais.

Ambas as características já foram citadas anteriormente, mas agora outro informante vem a público para corroborá-las, adicionando mais detalhes sobre elas. Segundo o site Mobile.163, fundado e especializado no continente asiático, a responsável pela fabricação dos dois sensores fotográficos seria a própria Samsung, evitando terceirizar as peças vitais. Embora isso já aconteça no Galaxy S7 e outros, a empresa divide a responsabilidade com a Sony. Desta vez, no entanto, nenhuma parceira estaria envolvida.

SEMCO (Samsung Motors Company) é a divisão da Samsung em cargo de manufaturar o sensor ISOCELL. O sistema duplo de câmeras do Galaxy S8, como consequência, estaria nas mãos dela. Seria essa a premissa para a estreia do famoso BRITECELL? É possível que sim. Trata-se do sucessor do ISOCELL, prometendo mais estabilidade de luz em condições com baixa iluminação e redução de artefatos em cores, apresentado no final de 2015.

2c2A novidade era esperada para debutar no Galaxy S7, o que não aconteceu. Sabendo disto, ou a empresa sul-coreana guardou sua “carta na manga” para o Galaxy Note 7 ou o projeto está ainda mais para o futuro, visando o Galaxy S8. Seja como for, esse assunto ganhará mais atenção quando o anúncio do sucessor do Galaxy Note 5 finalmente acontecer, algo que está previsto para a primeira semana de agosto de 2016.

Já a tela 4K UHD foi um dos últimos tópicos a serem abordados no Galaxy Note 7. A presença da monstruosa resolução do display estaria envolvida intrinsecamente com a realidade virtual, oferecendo uma imersão incrível em um mundo feito de pixels. Caso o poderoso phablet realmente conte tanto com essa tecnologia quanto a câmera dupla, seria uma espécie de “Galaxy S8 em treinamento”, onde a Samsung poderia experimentar as novidades e, caso haja sucesso, colocá-las no herdeiro da linha Galaxy S.

Não é possível confirmar a veracidade das informações com base em apenas o que foi visto até agora, sendo necessário aguardar até que dados mais sólidos sejam apresentados. Tendo isso em mente, esperar até o início de agosto antes de tirar conclusões soa como uma boa ideia, já que o Galaxy Note 7 dirá muito sobre o Galaxy S8, fique atento.

Samsung e Apple em: o nascimento de uma nova moda

2cSistemas duplos de câmeras principais não são exatamente uma novidade no mercado de telefonia móvel. Várias companhias já desfrutam desse método de captura de imagens, como a Huawei, ZTE, HTC e afins, porém as duas maiores responsáveis pela popularização de novas tecnologias são a Samsung — entrando na brincadeira com o Galaxy Note 7 ou Galaxy S8 — e a Apple. Esta última já esteve envolvida em diversas situações onde a presença de dois sensores foi citada, sugerindo que o iPhone 7 Plus possa chegar às prateleiras com tal mecanismo. Se isto acontecerá ou não; é um mistério, mas há um grande potencial para essa ser a próxima moda no setor de smartphones modernos.

Sony Xperia X – Dispositivo reserva 12 GB de espaço para o SO

Você se lembra quando a Samsung era a grande comilona do espaço em Androids, graças a suas customizações pesadas via TouchWiz? Para refrescar sua memória, quando o Galaxy S4 foi lançado em 2013 o aparelho de 16 GB só liberava metade do espaço interno para o usuário, o restante era devorado pelo sistema.

Na época foi um fuzuê danado, a Samsung recomendou aos usuários que utilizassem cartões Micro-SD (yay, vamos gastar mais dinheiro!) para só depois se lembrar que apps não podiam ser instalados na mídia externa,prometendo assim uma solução; o problema é que ela foi uma bela gambiarra e para piorar, seus lançamentos posteriores não corrigiram essa situação. Mesmo hoje 8 GB são comprometidos no Galaxy S7 e o S7 Edge, embora eles comecem com modelos de 32 GB. Ao menos é melhor do que a pataquada S6/S6 Edge, que não possuíam entrada para cartões de memória.

Só que a Samsung pode agora respirar aliviada, já que ela foi destronada por esse carinha aqui:

Este é o Xperia X, o modelo mid-high da nova linha de smartphones da Sony apresentada durante a MWC 2016. Este aparelho de meio-termo possui uma série de atrativos como um bom SoC, 3 GB de RAM, câmeras decentes e um acabamento de primeira, mantendo a tradição da companhia japonesa em sempre oferecer os Androids mais elegantes (ainda hoje acho o Xperia Z2 mais bonito do qualquer iPhone).

xxSó qua a Sony cometeu um erro, e bem grande: ela não soube otimizar seu sistema operacional. Não que isso seja novidade, modelos da Sony já comiam quase que o mesmo tanto de memória que os aparelhos da Samsung (o SO do Xperia M4 Aqua ocupava 6 GB, e ele foi vendido por aqui em uma versão de 8 GB…), mas desta vez eles se superaram. O Xperia X, cuja versão mais modesta possui 32 GB de espaço interno já sai da caixa com 12 GB comprometidos, e apenas 20 GB liberados para o usuário.

De novo: o sistema operacional de um dispositivo mobile ocupa o mesmo espaço do Windows 10 64 bits. A título de comparação, o OS X 10.11 El Capitan só reserva 7,9 GB de meu Mac Mini.

O que tenho notado é um inchaço geral do espaço do Android conforme aparelhos com memórias mais generosas tem sido lançados. Parece que a otimização de espaço, que deveria ser prioridade mesmo hoje (cada GB economizado faz diferença) já que não estamos mais na época de unidades internas medidas em megabytes perdeu importância, e os fabricantes atocham os aparelhos de apps inúteis e customizações desnecessárias, isso quando o próprio código não é otimizado.

O Moto Maxx é um bom exemplo, que após as atualizações para o Android 6.0 Marshmallow reservou 10,74 GB para o SO; por sorte ele possui generosos 64 GB de memória, mas e se não fosse o caso?

Ao menos a Sony permite que o usuário utilize cartões Micro-SD de até 200 GB no Xperia X, mas isso é transferir uma responsabilidade sua para o consumidor. A empresa deveria se esforçar em otimizar a versão customizada de seu Android e oferecer aparelhos com memória disponível decente, o suficiente para que seus consumidores carreguem sua biblioteca completa no bolso se assim desejarem, ao invés de morrer em alguns bons tostões a fim de adicionar mais memória e tentar contornar um problema que não foi causado por eles, mas serão quem irá pagar o pato.

Samsung Galaxy J3, J1 e J1 Mini – têm pouca memória interna e preço baixo

galaxyMais três novos celulares com preço e Android reduzido desembarcaram no Brasil: o Galaxy J3, Galaxy J1 e Galaxy J1 Mini. Os smartphones fabricados pela Samsung rodam a versão 5.1 (Lollipop) do sistema do Google e trazem processadores quad-core, função Dual SIM e modo de “ultra economia” de bateria, entre outras especificações. No entanto, têm pouca memória: somente 8 GB de espaço interno.

Os novos Galaxy chegaram com valores de R$ 999 para o J3, R$ 699 para o J1 e R$ 529 para o J1 Mini. Quem quiser comprar um destes telefones deverá escolher entre as seguintes opções de cor: dourado, preto e branco.

Para diferentes bolsos e necessidades

O mais poderoso dos três, o Galaxy J3, vem com Internet 4G, para quem gosta de navegar em alta velocidade e tela de 5” com resolução HD (720 x 1280 pixels). A câmera traseira do aparelho tem 8 MP e a frontal, 5 megapixels para selfies. Ambas acessíveis com um toque duplo no botão home.

Já o processador do aparelho é um quad-core de 1,5 GHz acompanhado de 1,5 GB de RAM e somente 8 GB de memória interna, com expansão via microSD de 128 GB. O Galaxy J3 tem ainda bateria de 2.600 mAh.

O Galaxy J1 é um com tela dele é de 4,5 polegadas e resolução SD (720 x 480 pixels), que corresponde à de um DVD. Além disso, ele possui rede 3G, câmera traseira de 5 megapixels e 2 MP para selfies. Há ainda bateria de 2.050 mAh, processador Exynos quad-core de 1,3 GHz, 1 GB de RAM e apenas 8 GB de memória, expansível em até 64 GB.

Já quem gosta de celular pequeno pode optar pelo Galaxy J1 Mini, que tem display de 4 polegadas – o mesmo doiPhone 5S. Há também conexão 3G, câmera traseira de 5 MP e frontal com resolução VGA para selfies básicos. Nas especificações, a bateria possui 1.500 mAh, o processador é um Exynos quad-core de 1,2 GHz com 768 MB de RAM e 8 GB de memória interna, com entrada para cartão de até 128 GB.

As vendas começam nesta semana.

Rumor – Samsung Galaxy S7 mini pode ser lançado para concorrer com o iPhone SE

s7mSamsung sempre lançou versões compactas dos seus smartphones emblemáticos, mas com o Galaxy S6 não chegamos a ver um S6 mini ser lançado, por mais que vários rumores apostassem que o produto era real. Agora, os holofotes estão voltados para o Galaxy S7, e não demorou para começar mais uma novela onde alegações indicam que Samsung teria planos de lançar uma versão reduzida para concorrer com o iPhone SE, que deverá ser revelado ainda este mês.

Enquanto o novo iPhone de 4 polegadas virá para reconquistar aqueles que ficaram decepcionados com os aparelhos maiores da Maçã, o produto da Samsung viria não apenas para rivalizar com o iPhone SE, mas também para agradar justamente os que estão comiPhone 6 e 6s, já que o S7 mini é dito para vir com tela de 4,6 polegadas. A parte mais curiosa do rumor é que Samsung poderá apostar em dois chipsets como no S7, sendo, na verdade, os mesmos chipsets usados: Exynos 8890 e Snapdragon 820.

Diferente da Sony, Samsung nunca foi de colocar o mesmo hardware em uma versão compacta de um aparelho topo de linha. Ainda mais quando é dito que a tela de 4,6 polegadas do S7 mini teria resolução HD. Isso faria com que o desempenho gráfico ficasse muito acima da versão tradicional do S7 que conta com tela QHD, causando uma certa confusão ou mesmo ofuscando o brilho do carro-chefe sul-coreano.

Por fim, a fonte informa que o Galaxy S7 mini teria 3 GB de RAM e câmera de 12 megapixel, talvez o mesmo módulo com tecnologia Dual Pixel estreada pela empresa em seu recente lançamento. Também comenta-se que o S7 mini teria 9,9 mm, indo contra a tendência da empresa de sempre tentar desenvolver produtos cada vez mais finos. Claro, tudo não passa de pura especulação e sem nenhum fundamento mais sólido neste momento. Mas você acha que um S7 mini com mesmo hardware seria interessante?

Android 6.0 Beta – Galaxy S6 e S6 Edge trouxe bug no suporte ao Gear VR

gearNo início desta semana, a Samsung anunciou que eles estavam procurando testadores beta no Reino Unido para a sua atualização para o Marshmallow Android 6.0, e ela já começou a ser liberada na quarta-feira. E uma das mudanças que essa atualização trouxe não é uma boa notícia para os usuários do Gear VR: O Android 6.0 no Galaxy S6 e S6 Edge fez com que o Gear VR parasse de funcionar.

Bem, claro que certamente é um problema que deverá ser contornado o mais rápido possível pela coreana, ou julgando pela tela de aviso que os usuários estão vendo no Galaxy S6 e Galaxy S6 Edge, a Samsung também pode ter desativado o suporte do dispositivo de VR para o Android 6.0 Beta, e estará disponível na versão 6.0 Android estável ou oficial.

Então, se você é dono de algum dos dois smartphones, mora no Reino Unido ou seguiu o tutorial para instalar o Android Marshmallow, e possui o Gear VR, que já chegou ao Brasil, não se preocupe, ele deve funcionar com o novo sistema operacional assim que a versão oficial foi lançada, ou mesmo antes. Vamos torcer para que seja antes que os testes comecem em outros países.

No entanto, vale deixar claro que não há uma declaração oficial da Samsung para esse problema, mas podemos especular que a versão de teste pode ter apresentado algum problema que poderia frustrar os usuários mais do que a impossibilidade de usar o novo dispositivo de realidade virtual.