Motorola G5 e G5 Plus – Valor, ficha técnica e novidades

Os novos celulares intermediários da Lenovo/Motorola, o Moto G5 e o G5 Plus, terão no Brasil os preços sugeridos de R$ 999 e R$ 1.499, respectivamente. Os valores foram confirmados pela empresa na manhã desta terça-feira (7), em São Paulo.

Os dois modelos chegam ao país com 2 GB de memória RAM e 32 GB de armazenamento interno. Lá fora serão vendidas versões com 3 GB ou 4 GB de RAM e 16 GB ou 64 GB de armazenamento interno, que não deverão vir para cá.

O Moto G5 Plus ainda contará com um carregador rápido de 15 W, que promete dar mais seis horas de uso médio de bateria em 15 minutos na tomada. O carregador do Moto G5 comum rende mais quatro horas de uso com os mesmos 15 minutos de carregamento. Além disso, no G5 Plus a bateria é fixa, mas no G5 é removível e chip telefônico fica na traseira do celular.

Moto G5 (à sestra) e Moto G5 Plus (à destra)

A Levono/Motorola aproveitou a Mobile World Congress (MWC), principal feira de telefonia do mundo que ocorreu na semana passada em Barcelona, para atualizar a linha Moto G. Já na quinta geração, a linha ganhou o nome de Moto G5.

Essa é a linha mais vendida no mundo e ajuda a marca em sua busca de ser a terceira maior do mundo — no Brasil já é a segunda maior.

O que tem de novo?

A Lenovo tomou a decisão curiosa de reduzir algumas configurações em relação à linha 2016. A tela ficou menor: nos Motos G4 e G4 Plus eram 5,5 polegadas, agora são 5,2 no G5 Plus e 5 no G5, ambas com resolução Full HD. Parece ser um indicativo que a tendência do retorno às telas menores, capitaneada pelo iPhone SE (de 4 polegadas), está crescendo.

O tamanho da tela menor tem uma justificativa. Os botões “voltar”, ir para tela principal e “ver todos os apps abertos”, que antes tinham comandos na tela, são agora feitos no botão do meio. Deslize da direita para esquerda para voltar, da esquerda para direita para ver os apps abertos, e pressione o botão para voltar à tela principal.

Os sensores das câmeras principais também caíram: de 16 MP (G4 Plus) e 13 MP (G4) no ano passado para 12 MP (G5 Plus) e 13 MP (G5) neste ano. Em compensação, a câmera do G5 Plus será Dual Pixel, isto é, receberá mais luz por cada pixel da foto, sendo 28% mais eficiente em luminosidade que a geração anterior. Além disso, o foco é 58% mais rápido que o do G4 Plus.

Outro “downgrade” na linha Moto G é a bateria do G5, que terá apenas 2.800 mAh, enquanto o G5 Plus mantém os 3.000 mAh da versão 2016. No ano passado, tanto o G4 quanto o G4 Plus tinham baterias de 3.000 mAh. Como as telas também reduziram e os processadores também foram atualizados –serão os Snapdragon 625 (G5 Plus) e 430 (G5)–, a empresa espera que a autonomia de bateria da linha seja mantida para um dia de uso médio.

O corpo de ambos os modelos melhorou o acabamento: agora são em metal, enquanto as versões do ano passado eram em plástico. A silhueta também ficou mais arredondada e a câmera na traseira ganhou um visual circular, bem parecida com a da linha Moto Z.

No mais, a linha manteve-se dentro do que se espera dos melhores intermediários atuais: Android 7.0 de fábrica, 2 e sensor de digitais em ambos –no ano passado só o G4 Plus tinha– e o Moto Ações, recurso da Motorola que responde a gestos para abrir a câmera ou ligar a lanterna rapidamente.

A nova linha Moto G5 terá como principais concorrentes o Zenfone 3 e 3 Max (Asus), na casa dos R$ 1.150 a R$ 1.500, mas o 3 Max tem bateria de 4.100 mAh. Há ainda os Galaxy J5 Metal e J7 Metal (Samsung), por em média R$ 900 e R$ 1.100, embora estes tenham apenas 16 GB de armazenamento.

Moto G5

Tela: 5 polegadas Full HD
Sistema operacional: Android 7.0
Processador: Snapdragon 430 octa-core de 64 bits (1,4 GHz)
Memória: 32 GB de armazenamento interno (cartão microSD de até 128 GB) e 2 GB de RAM
Câmeras: 13 MP (principal) e 5 MP (frontal)
Dimensões e peso: 144,3 x 73 x 9,5 mm; e 145 g
Bateria: 2.800 mAh

Moto G5 Plus

Tela: 5,2 polegadas Full HD
Sistema operacional: Android 7.0
Processador: Snapdragon 625 octa-core de 64 bits (2 GHz)
Memória: 32 GB de armazenamento interno (cartão microSD de até 128 GB) e 2 GB de RAM
Câmeras: 12 MP (principal) e 5 MP (frontal)
Dimensões e peso: 150,2 x 74 x 7,9 mm; e 155 g
Bateria: 3.000 mAh

Android Lenovo Vibe C2, desempenho, especificações e preço

LEN2

Se tem algo que a Lenovo não pode ser acusada de fazer é de lançar poucos aparelhos. Mesmo após a aquisição da Motorola e a continuidade da família Moto (que agora conta com as linhas E, G, X e Z), a companhia continua investindo na família Vibe, com a nova bola da vez sendo um novo membro da linha C. O Vibe C2 vem como uma peça retrô com tela de 5 polegadas e hardware mediano.

Aqui, você vai encontrar plástico para todos os lados, sem qualquer tipo de texturização para deixar o toque melhor — o gadget “oferece” inclusive aquele barulho de plástico sendo riscado pela unha (confere no vídeo ali em cima). Pesando apenas 139 gramas e com 8,6 milímetros de espessura, ele é uma tentativa da Lenovo de dar uma alternativa para quem quer gastar pouco para ter um smartphone. Será que o Vibe C2 consegue isso? Será que ele vale a pena? Confira agora em nossa análise.

Display e multimídia

Você pode pensar que, por estarmos em 2016, seria uma obrigação das companhias trazer uma tela com no mínimo 1080p de resolução — mas, bem, se você pensa assim, nós não podemos concordar. Aparelhos com tela de 5 polegadas e 720p dão para o gasto, especialmente em casos como os do Vibe C2, que foca no equilíbrio, dispensando os tons vibrantes (a parte ruim) e também cores lavadas ou manchadas (a parte boa). Os tons escuros também mantêm o mesmo padrão: nada que impressione, mas nada que incomode. Então, ele passa em nosso teste.

Além disso, vale destacar que a resolução “baixa” tanto combina com o tamanho do gadget quanto ajuda a aliviar o consumo da bateria. Como exemplo, lembremos do LG G5 SE, que traz uma tela com resolução de 2K que pesa bastante no desempenho geral da peça. Em suma, mais um ponto positivo para um aparelho de entrada.

Na parte multimídia, temos dois pontos a destacar: o primeiro é a descrição dada pela Lenovo para o sistema de áudio do C2. No site oficial diz que o aparelho conta com “som potente e de alta qualidade com a tecnologia Waves MaxxAudio”. Agora, o segundo (e mais importante) ponto: a realidade.

De fato, temos um som bem acima daquela clássica qualidade estilo “caixinha de celular”, com volumes altos e as frequências que não distorcem. O problema fica apenas pela tendência forte do sistema de som em tornar tudo mais agudo do que o normal, com até mesmo as frequências médias subindo um nível. Em poucas palavras, não são sons fiéis aos originais que saem dali, só que esta “versão” não original que chega aos seus ouvidos é boa.

Usabilidade e desempenho

Durante os nossos testes, notamos perdas de quadro inclusive ao longo da reprodução de vídeos do YouTube, deixando claro que você não terá uma experiência fluída com este dispositivo. Em games, o mesmo comportamento se repete, dando aquela impressão de que tudo vai bem até que acontece algo e o sistema dá umas engasgadas. Pela nossa experiência, uma explicação para isso é a pouca quantidade de memória RAM.

Nem vamos pensar em CPU e GPU: 1 GB de RAM é um gargalo excelente para comprometer todo o sistema e a experiência do Android como um todo, e a Lenovo pecou feio em equipar o C2 com pouca RAM. Pelo desempenho, o C2 chega a lembrar o Alcatel Pixi, que avaliamos este ano aqui no Canaltech. Em suma, mesmo que este dispositivo tivesse um processador de 15 núcleos, 1 GB de RAM ainda seria um grande problema.

Câmeras

LEN3As câmeras do Vibe C2 deixam claro que não é só o visual do gadget que lembra o de smartphones mais antigos, o seu desempenho também. As fotos feitas nele são cheias de ruído, invasões de luz e tudo mais, parecendo muito com os sensores de 3 megapixels que eram comuns há alguns anos. Nem vamos gastar muito tempo aqui: o C2 é horrível para fotos, e a câmera frontal repete o mesmo padrão de qualidade bem duvidosa.

Bateria e acessórios

Em nossos testes básicos de streaming, pudemos notar que a descarga média do C2 em uso contínuo é de 15% da bateria por hora, deixando o aparelho na clássica categoria “OK, é quase certeza que chego ao final do dia com você”. Em outras palavras: aprovado.

Vale lembrar ainda que o gadget conta com sistema de carregamento rápido da Lenovo, algo bastante alardeado pela fabricante. Em nossos testes, foi possível aumentar a carga da bateria de 10% para 43% em apenas meia hora de carga usando o carregador de 5 V / 2A que acompanha o smartphone.

Especificações

  • Chipset MediaTek MT6735P;
  • CPU quad-core 1,0 GHz Cortex-A53;
  • GPU Mali-T720MP2;
  • 1 GB de memória RAM;
  • 16 GB para armazenamento interno (com suporte para microSD de até 32 GB);
  • Tela IPS LCD de 5 polegadas com resolução 720 x 1.280 pixels (~294 ppi);
  • Câmera traseira de 8 megapixels com autofoco flash de LED;
  • Câmera frontal de 5 megapixels;
  • Conexões Wi-Fi b/g/n, Bluetooh 4.0, GPS e suporte para dual SIM;
  • Dimensões: 143 x 71,4 x 8,6 milímetros;
  • Peso: 139 gramas;
  • Android 6.0 Marshmallow.

Vale a pena?

Com preço variando de R$ 630 a R$ 700, o Lenovo Vibe C2 é um aparelho de entrada com valor adequado para o inflacionado mercado brasileiro. Porém, o nosso veredito para ele é: não vale a pena. Por um valor igual ou ligeiramente superior, você pode levar para casa aparelhos bem mais interessantes, como o Quantum GO ou o Vibe K5, da Lenovo.

E o grande problema aqui não são os 720p de resolução ou o processador de 1,0 GHz, mas sim a baixa quantidade de memória RAM. Isso é receita para problemas e afeta o desempenho de todo o sistema operacional, deixando o gadget não apenas recomendado para uso básico, mas limitado a este tipo de experiência.

Android – Dicas para aproveitar todos os recursos do sistema operacional

O Android é o sistema operacional para celulares que mais oferece recursos aos usuários. A plataforma não apresenta tantas exigências quanto o iOS e conta com mais aplicativos que o Windows Phone. Além disso, o sistema está presente na maioria dos smartphones e tablets disponíveis no mercado, desde os modelos mais simples até os topos de linha.

Alguns recursos do Android, no entanto, podem estar em locais diferentes por conta das modificações feitas pelas fabricantes. Empresa como Samsung e LG fazem alterações para adequar o sistema a recursos exclusivos. Poucos smartphones se propõem a oferecer o Android com poucas modificações.

Os celulares da linha Moto, da Motorola/Lenovo contam com poucas mudanças em relação ao sistema original. Entretanto, o Nexus é o único modelo que realmente possui o Android puro, sem modificações. Confira uma lista com recursos pouco conhecidos que permitem utilizar todo o potencial do sistema do Google.

Compartilhe uma localização no Google Maps

Ao procurar um endereço no computador, o usuário pode enviar as informações para o smartphone. Assim, não há a necessidade de digitar tudo novamente no celular. Para utilizar o recurso, basta pesquisar um local no Google Maps e procurar pela opção “Enviar para o smartphone” na barra lateral.

Em seguida, é possível enviar os dados para o aplicativo presente em um dos números já cadastrados na sua conta do Google. O celular exibirá uma notificação com o endereço pesquisado. Outra opção é enviar a localização por e-mail ou mensagem de texto para dispositivos conectados.

Crie lembretes com o Google Now

lemParte do Google Now, assistente virtual para Android, o recurso é uma boa opção para quem deseja se organizar. Por meio de pesquisas simples, o usuário pode criar lembretes para serem exibidos em um determinado horário ou local.

Para criar um lembrete, faça uma pesquisa como “lembre-me de ir ao supermercado na segunda, às 3 da tarde”. O Google exibirá, então, uma tela com os dados informados. A página também permite definir se o lembrete deverá se repetir. O celular exibirá uma notificação no dia ou no local especificados.

O Google Now ajuda o usuário em diversos momentos. O serviço consegue exibir rotas para locais conhecidos, realizar cálculos rápidos, informar a previsão do tempo e realizar comandos básicos. O assistente consegue para ligar ou enviar mensagens SMS para um contato. Também é possível “Mandar um e-mail” se a conta do destinatário tenha sido salva anteriormente.

A ferramenta permite ainda iniciar aplicativos com comandos semelhantes como “Abrir Facebook” ou acessar uma página na web com “Vá para o site ig.com.br”. Para habilitar o assistente, basta dizer “Ok Google” ou tocar sobre o microfone na barra de pesquisa do smartphone ou tablet e dizer o comando desejado.

Habilite o modo visitante

O Android consegue bloquear o acesso a informações pessoais quando outra pessoa utiliza seu smartphone. O modo visitante impede que seus amigos visualizem seus arquivos e aplicativos sem apagar as informações armazenadas.

Para criar um usuário para outra pessoa, abra a área de configurações rápidas puxando a barra superior para baixo e clique  sobre o ícone do usuário no canto superior direito

A tela exibirá a opção de adicionar um usuário permanente ou um convidado. Ao escolher a segunda opção, o usuário mantém o smartphone com definições de fábrica.

Encontre um smartphone perdido

O Android utiliza geolocalização para informar a posição do smartphone. Pesquise “encontre meu telefone” no Google para ter acesso à área Minha Conta. A ferramenta utiliza sua conta no Google para se comunicar com o smartphone. Além de exibir a posição do dispositivo em um mapa, o recurso consegue bloquear o celular e mostrar uma mensagem para quem o encontrar.

Outra opção é fazer o celular tocar no volume máximo se o smartphone estiver próximo e você esqueceu onde o deixou. Em casos mais extremos, é possível sair da conta registrada no celular para evitar que outra pessoa tenha acesso às suas informações. Dispositivos com iOS e Windows Phone possuem recursos semelhantes.

Sincronize o histórico do Chrome

Os aplicativos desenvolvidos pelo Google conseguem se desenvolver bem entre o smartphone e o computador. O Chrome, por exemplo, permite ao usuário acessar seu histórico de navegação em qualquer dispositivo. O recurso é útil para quem pesquisa sobre um determinado assunto no smartphone e deseja continuar a leitura no computador, por exemplo.

Para visualizar o histórico de outros dispositivos no smartphone, basta abrir o menu de configurações do Chrome – o ícone com três pontos verticais no canto superior direito – e selecionar a opção “Guias Recentes”. Em computadores, as últimas páginas podem ser acessadas no menu de configurações. As informações são exibidas após selecionar a opção “Histórico”. As informações, no entanto, só podem ser compartilhadas se o usuário estiver conectado à mesma conta do Google em todos os aparelhos.

rotTransformar o celular em roteador

O sistema operacional também pode ser utilizado para distribuir internet para outros aparelhos. Para usar um dispositivo Android como roteador, acesse as Configurações – o ícone da engrenagem na lista de aplicativos. Em seguida, escolha o menu Mais e selecione a opção Roteador Wi-Fi.

A página exibirá todas as opções que podem ser habilitadas. Como as redes Wi-Fi podem ser encontradas por qualquer dispositivo, o Android solicita um nome e uma senha para a conexão para proporcionar mais segurança para o usuário.

Veja a tela do computador pelo celular

Aplicativos como Pushbullet e AirDroid permitem visualizar a tela do smartphone no computador. Ao sincronizar o aplicativo com o computador, o usuário pode acessar mensagens, contatos e transferir arquivos sem a necessidade de usar cabos.

O contrário também pode ser feito por meio do Chrome Remote Desktop. Ao baixar o aplicativo na Play Store e a extensão na Chrome Web Store, o usuário pode visualizar à distância a tela de qualquer computador registrado.

Lenovo Phab 2 Pro é o primeiro dispositivo com Google Tango

tngA Lenovo anunciou recentemente a chegada do Phab 2 Pro, o primeiro telefone do mundo habilitado para o Google Tango. Outro grande destaque deste aparelho é o fato de o mesmo dispor de quatro câmeras. Segundo os desenvolvedores, o principal objetivo quanto às quatro câmeras é aproveitar a realidade aumentada. Confira mais detalhes na continuação desta matéria.

O aparelho conta com tela IPS de 6,4 polegadas que possui resolução Quad HD (2560 x 1440 pixels). Além disso, outro item que se destaca é a bateria de 4.050 mAh que oferece a disponibilidade do uso do aparelho por até 15 horas seguidas. A Lenovo anunciou que o Phab 2 Pro será comercializado nas cores dourado e cinza. O mesmo conta com preço sugerido de U$ 499, algo em torno de R$ 1.690,00, sem considerar os impostos.

O Phab 2 pro ainda possui memória RAM de 4 GB, armazenamento interno de 64 GB com disponibilidade para expansão através de cartão microSD, processador Snapdragon 652 que foi desenvolvido especialmente para permitir a integração com o Google Tango. O sistema operacional é o AndroidMarshmallow.

lenPara aqueles que ainda não sabem, o Google Tango é uma plataforma de realidade aumentada que, através da inteligência do Android, faz reconhecimento do espaço físico em torno do usuário com uma precisão bastante grande. Essa compreensão do espaço físico através do Phab 2 Pro será feita por meio dos sensores embutidos no aparelho. Tais sensores são capazes de detectar piso, teto, paredes e objetos do ambiente em que o usuário de encontra.

É esse mapeamento que disponibiliza ao aparelho a realidade aumentada, que é justamente utilizar a câmera para mostrar o que está presente naquele determinado ambiente, sendo que essa tecnologia também é capaz de incluir objetos em 3D.

Como já foi destacado, o Phab 2 Pro dispõe de nada menos que quatro câmeras. Duas delas são equipadas com sensor de profundidade. Em relação às outras duas câmeras, uma delas está localizada na parte frontal com 8 MP, sendo a responsável pelos famosos selfies. A última está na parte traseira e possui 16 MP. Vale destacar que, visando uma melhoria significativa na parte sensorial com o aparelho, a Lenovo investiu no som através da tecnologia Dolby Atmos e Dolby 5.1 Audio Capture.

Lenovo lançará primeiro smartphone do Projeto Tango

len
Em janeiro vimos Google e Lenovo revelarem o primeiro smartphone do Projeto Tangodurante a CES 2016. Enquanto as principais fabricantes vêm apostando na realidade virtual, Google quer ir além com a realidade aumentada permitindo que o aparelho em suas mãos seja capaz de mapear tudo a sua volta e entender o mundo em que vivemos. Durante a CES Lenovo mostrou como era simples medir uma sala usando um protótipo de tablet do Projeto Tango e então fazer compras na Lowes por móveis que caberiam no local.

Lenovo lançou um vídeo sobre a feira Tech World que acontece todos os anos em São Francisco. No dia 9 de junho a fabricante estará por lá para apresentar seus novos produtos, entre eles o smartphone do Projeto Tango com sistema Android. Bem como reunir alguns líderes da indústria para discutir os últimos desenvolvimentos em realidade virtual, dispositivos inteligentes conectados e tecnologia de nuvem.

 

Lenovo informou que o Projeto Tango vai muito além do que é oferecido pela realidade virtual. O smartphone, a ser lançado em parceria com a Google, promete revolucionar a forma como navegamos e jogamos. A câmera do aparelho será capaz de mapear a casa do usuário e criar níveis em jogos 3D dando ainda mais imersão.

O que muda deste novo para o anterior anunciado na CES 2016? O produto revelado no começo do ano tinha foco nos desenvolvedores. Google queria entregar o hardware mais cedo para que novos aplicativos fossem desenvolvidos. Agora Lenovo quer trazer o smartphone para o público em geral. Estimado por US$ 500, podemos esperar que o primeiro smartphone do Projeto Tango chegue por até US$ 399.

Ainda não há detalhes sobre o hardware, mas é comentado que o aparelho conta com tela de 6,5 polegadas e uma câmera avançada para realizar o mapeamento em 3D em tempo real. No vídeo acima vemos que a empresa também apresentará algumas novidades da Motorola. Seria o novo Moto X? O Moto G 2016 já tem data de estreia para 17 deste mês.

Lenovo anuncia três versões do smartphone Moto G – Confira os valores

g4-2A Lenovo, detentora da Motorola, lança hoje duas versões do seu smartphone de maior sucesso, o Moto G. Os aparelhos chegam ao Brasil com preços que vão de 1.299 reais até 1.499 reais. Uma terceira edição do produto será lançada até agosto e ainda não tem preço definido, mas custará “menos de 1.000 reais”, segundo a fabricante.

Os smartphones são chamados Moto G 4, Moto G 4 Plus e Moto G 4 Play. Os dois primeiros têm telas Full HD de 5,5 polegadas, processador octa-core Qualcomm Snapdragon 617 e 2 GB de memória RAM. Ambos têm ainda entradas para dois chips e para cartões microSD.

A fabricante ressalta também que os dois modelos têm um sistema de dual chip diferente do padrão de mercado. Em vez dos chips funcionarem em 2G e 4G quando usado simultaneamente, eles operam nas redes 3G e 4G. A medida visa oferecer uma melhor cobertura de sinal de operadoras para o consumidor.

Agora, os dois principais Moto Gs têm suporte para a recarga rápida na tomada. A bateria de ambos tem 3.000 mAh e, segundo a Lenovo, a versão Plus consegue oferecer 6 horas de uso após passar 15 minutos carregando.

Ouvindo sua comunidade de consumidores, a fabricante colocou controles manuais no software da câmera dos novos smartphones, algo que não foi feito em nenhum outro integrante da linha Moto G.

Já o terceiro aparelho, o Moto G 4 Play, conta com uma configuração mais modesta, mas mantém a memória RAM de 2 GB. A tela é um pouco menor, sendo de 5 polegadas. O processador é quad-core, como no Moto G de terceira geração.  As câmeras do produto são de 8 MP e 5 MP.

Como o produto é mais simples, a Lenovo informa que ele é indicado para quem está em busca do seu “primeiro Moto G”, fazendo referência a quem procura o seu primeiro smartphone.

O que muda do Moto G 4 Plus para o Moto G 4?

O modelo Plus é mais sofisticado. Ele é o primeiro produto da linha Moto a contar com um sensor de impressões digitais para desbloqueio de tela. Mas não se engane, o aparelho não tem botões físicos para interagir com o sistema Android Marshmallow (versão 6.0.1). O leitor biométrico fica logo abaixo da tela e não é um botão home, como acontece, por exemplo, no Galaxy S7. Ele é somente um sensor, que não pode ser pressionado.

 g4-

Para fotos, o Plus tem câmera principal de 16 MP com foco veloz para ambientes iluminados, que utiliza o método de detecção de fase, e foco a laser para locais escuros. A câmera frontal tem 5 MP.

O Moto G 4 tem uma câmera com menor resolução, 13 MP, e não conta com o foco a laser. A câmera frontal, porém, é a mesma do Plus.

Outra diferença entre os produtos está na capacidade de armazenamento interno. O G 4 tem 16 GB, enquanto o Plus tem 32 GB. Mas os dois podem ter suas memórias expandidas com cartões microSD de até 128 GB.

Concorrência

Os dois novos Moto Gs chegam para brigar com aparelhos como o Samsung Galaxy J7, o Asus Zenfone 2 Selfie e o Sony Xperia C5. Vale notar que a própria Lenovo tem smartphones à venda no mercado na mesma faixa de preço dos novos produtos. São eles o Moto X Play e o Vibe A7010, ambos lançados no Brasil no ano passado.

A linha Moto tem 3 famílias: E, G e X. No entanto, a G foi renovada no primeiro semestre neste ano, quando a E deveria ter novos integrantes. A fabricante não comentou sobre um possível fim do Moto E, mas ressaltou que o Moto X continuará a existir.

Smartphone – Lenovo Vibe C A2020

vc2

A marca Lenovo não sabe se casa ou se compra uma bicicleta, isso já ficou claro. Ela possui as linhas Moto e Vibe nas mãos e frequentemente está colocando ambas para bater cabeça, lançando aparelhos muito próximos uns dos outros. O Vibe A7010, que é um honesto dispositivo intermediário está na mesma faixa de preço da linha 2016 do Moto G, enquanto que o K5 vai brigar com o Moto G Play, que dará as caras entre julho e agosto.

E os dispositivos de entrada? Bem, levando em conta que os fabricantes não engoliram a volta da Lei do Bemprincipalmente pela incerteza (a liminar pode cair a qualquer momento) e a alta do dólar terminou de bagunçar tudo, os dispositivos milagrosos entre 500 e 700 reais desapareceram; a linha Moto E, cuja última versão já não possuía um preço muito atraente levando em conta suas capacidades ainda não foi atualizada, o que leva a crer que ela foi abandonada em prol de outra abordagem por parte dos chineses.

É aí que entra o mais recente lançamento da Lenovo lá fora, o Vibe C. Recém-lançado na Croácia e até onde se sabe tão somente, o dispositivo Android possui uma série de características que o classificam com um aparelho absolutamente de entrada, a saber:

  • SoC Snapdragon 210, quad-core Cortex-A7 com clock de 1,1 GHz e GPU Adreno 304;
  • display IPS de 5 polegadas com resolução HD (294 ppi);
  • 1 GB de RAM;
  • 8 GB de espaço interno (expansível via Micro-SD até 32 GB);
  • câmera principal de 5 megapixels com autofoco, Flash LED e capacidade de capturar filmes em HD a 30 fps;
  • câmera selfie de 2 MP;
  • redes 4G/LTE com Dual SIM, Bluetooth 4.0 e A-GPS;
  • rádio FM;
  • bateria removível de 2.300 mAh;
  • Android 5.1.1 Lollipop pela terceira vez seguida. Já pode pedir música no Fantástico.

Como se pode perceber ele é um Android bem pé-de-boi, com o mínimo necessário para ser um aparelho com 4G graças ao Snapdragon 210, um SoC de baixo custo compatível com a rede de alta velocidade, feito para equipar essa linha de smartphones baratos e tirá-los do 3G. E o preço é bem convidativo, os croatas poderão adquirí-lo ao equivalente a US$ 105, ou R$ 366 em valores de hoje sem impostos.

Aqui você confere um vídeo de unboxing/primeiras impressões disponibilizado em abril, provavelmente de um indivíduo que colocou as mãos no Vibe C antes do lançamento:

E aí que entra a questão: ele seria um device para ocupar a lacuna do Moto E, que ainda não deu as caras ou a Lenovo ainda pretende mantê-la, cometendo novamente o mesmo erro de fazer seus dispositivos de linhas primas brigarem entre si na mesma faixa de preço? Nos resta aguardar o desenrolar dessa história e caso o Vibe C seja o novo aparelho de entrada da companhia chinesa, não deve demorar para ele dar as caras por aqui.

Lenovo Vibe A7010, preço e especificações técnicas

lenovoPara a estreia no mercado nacional, a dona da Motorola apostou no Vibe A7010, um modelo intermediário que traz recursos diferenciados na faixa de preço, como os alto-falantes reforçados e um leitor de impressões digitais na traseira, tudo acompanhado de componentes de hardware acima da média.

Conclusão…

O Vibe A7010 é um smartphone bem interessante pelo que custa. Lançado no Brasil com preço sugerido de R$ 1.299, ele compete com aparelhos da própria Motorola, como o Moto X Play. Ao optar pela Lenovo, você perde a câmera de ótima qualidade, a GPU mais potente e a bateria gigante com carregamento ultrarrápido do smartphone intermediário da Motorola, mas leva um acabamento mais caprichado, um leitor de impressões digitais e som mais forte.

lenovo-vibe-a7010-fecha
Aliás, considerando o recente aumento nos preços da Motorola, o Vibe A7010 se torna mais atraente. Enquanto o modelo da Lenovo pode ser encontrado facilmente por valores a partir de R$ 1,1 mil, está cada vez mais difícil comprar um Moto X Play por menos de R$ 1,4 mil: você precisa ficar de olho nas promoções do varejo. Por isso, mesmo que o Moto X Play seja uma opção superior, considerando todo o conjunto, talvez valha a pena guardar esse dinheiro.

O smartphone de estreia da Lenovo é uma boa opção de compra para a maioria dos usuários que gostam de telas grandes para consumir conteúdo (e se beneficiarão com o som Dolby Atmos) e querem uma bateria decente para aguentar o dia inteiro, mas não se importam tanto com fotografia, games pesados ou atualizações rápidas de software. Para todo o resto, é possível encontrar os aparelhos da Motorola ou topos de linha de gerações passadas das outras marcas.

Este é o primeiro de muitos experimentos que faremos ao longo dos próximos meses nas análises de produtos, testando novos formatos de texto e vídeo. Sinta-se livre para compartilhar suas impressões não apenas sobre o smartphone, mas também sobre a estrutura do review, na área de comentários.

Especificações técnicas:

Bateria: 3.300 mAh;
Câmera: 13 megapixels (traseira) e 5 megapixels (frontal);
Conectividade: 3G, 4G, Wi-Fi 802.11ac, GPS, Bluetooth 4.0, USB 2.0, NFC, rádio FM;
Dimensões: 153,6 x 76,5 x 9,2 mm;
GPU: Mali-T720MP3;
Memória externa: suporte a cartão microSD de até 128 GB;
Memória interna: 32 GB;
Memória RAM: 2 GB;
Peso: 158 gramas;
Plataforma: Android 5.1 (Lollipop);
Processador: octa-core MediaTek MT6753 de 1,3 GHz;
Sensores: acelerômetro, proximidade, bússola, giroscópio, impressões digitais;
Tela: IPS LCD de 5,5 polegadas com resolução de 1920×1080 pixels e proteção Gorilla Glass 3.